Pesquisar
Close this search box.

Jaguapitã: Educação tem curso de primeiros socorros

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Cotidiano
  6. /
  7. Jaguapitã: Educação tem curso...

Cerca de 275 servidores dos setores da Rede Municipal de Educação aprenderam técnicas de primeiros socorros em ambiente escolar

Professora aprende sobre como agir em caso de uma criança engasgar

De 22 a 26 de agosto, colaboradores das Escolas Municipais e dos Centros de Educação Infantil de Jaguapitã fizeram um Curso de Primeiros Socorros, em que aprenderam mais sobre técnicas, leis e contatos de emergência. Ofertado pela prefeitura, através da Equipe da Empresa Tec Salve, o curso teve a participação de 276 servidores entre professores, educadores infantis, secretários, zeladoras, cozinheiras, dentistas, estagiários, e membros da direção e coordenação.


O curso foi realizado no CMEI Prof.ª Rita de Cássia Nobrega Vieira (dia 22), no CMEI Maria Aparecida da Silva Nascimento, com a participação do CEI Lar de Jesus, no dia 23, no CMEI Prof.ª Claudiceia de Souza Rolim (dia 24), e nas escolas municipais Paulo Freire (dia 25) e Prof. Newton Guimarães (dia 26). O objetivo do curso foi o de instruirm sobre como agir em situações de acidentes que podem ocorrer dentro do ambiente escolar.


“A ênfase dada no treinamento foi na abordagem de trauma, em que ensinamos de forma correta como lidar com um acidente, seja com uma criança ou com um adulto. Demos um exemplo de como lidar diante de uma crise convulsiva, desmistificamos a lenda de colocar o dedo na boca da pessoa para puxar a língua e ensinamos o modo correto de atender a essa urgência”, explica o bombeiro Luciano Barbosa de Souza, da Tec Salve.


O curso também contou com os instrutores Ivone Inácio, Matheus Nadad e Diego Souza, bombeiros profissionais civis e socorristas. Eles ainda possuem a especialização em APH em Combate, que é o atendimento de emergência médica pré-hospitalar, especifico de operações táticas, situações de combate militar. Eles também têm a especialização em guarda-vidas ou salva-vidas civil, usualmente chamado de aquático.


Durante o curso também foi ensinado melhor o que são as manobras de desengasgo, seja com crianças ou com adultos, e foi mostrado como é possível identificar uma parada cardíaca e como precisa ser realizado o processo de reanimação cardiopulmonar.


O curso foi montado em cima da ‘Lei Lucas’, que tem por objetivo primordial proteger as crianças do ensino infantil e básico de acidentes comuns que podem ocorrer em ambientes escolares.


“A lei foi criada em homenagem ao Lucas, um garoto de 10 anos que perdeu a vida durante um acampamento escolar. O acidente ocorreu quando os professores serviam um cachorro-quente e ele se engasgou com pedaço do alimento e nenhum dos profissionais que estavam lá souberam aplicar a manobra de desengasgo e ficaram desesperados. Quando o socorro chegou ao local já era tarde demais”, comenta.


O bombeiro enfatiza a ausência de investimento em cursos de capacitação para os profissionais de educação do Brasil em relação aos primeiros socorros. “Infelizmente, em 90% dos estabelecimentos de educação infantil, os profissionais nem sequer conhecem essa lei federal e que é obrigatória de ser aplicada nas instituições. Caso aconteça um acidente desse tipo na escola em que não houve a preocupação de capacitar o profissional, todos serão punidos rigorosamente”, afirma.


Além de Jaguapitã, a Tec Salve está aplicando outros cursos como este em toda a região. “Estamos fazendo este trabalho em toda a região oferecendo este serviço para escolas públicas e privadas, para capitar estes profissionais e não permitir que outros óbitos por engasgo, ou quaisquer outros tipos de acidente, venham a ocorrer nos ambientes escolares”, afirma Luciano. Para saber mais acesse o @tecsalve no Instagram. Visite também o site: www.tecsalve.com.br.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Cotidiano

Enfermeiro do Samu de Rolândia no RS

Porfírio Adriano Piza foi novamente convocado pela Força Nacional do SUS para ajudar as vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul O enfermeiro Adriano