Pesquisar
Close this search box.

O atendimento no Hospital do Câncer de Londrina

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Cotidiano
  6. /
  7. O atendimento no Hospital...

HC de Londrina fornece uma média de 1.800 atendimentos diários e conta com mais de 45 mil pacientes em tratamento

Um dos quartos da pediatria do Hospital do Câncer de Londrina

O Hospital do Câncer de Londrina é uma instituição filantrópica e é o segundo maior hospital do Paraná. O prédio possui mais de 24.000 m2 de construção e é referência para cinco Regionais de Saúde, na área adulta, e para oito Regionais na área infantil, com abrangência em mais de 167 municípios. Atualmente o hospital possui uma média de 1.800 atendimentos diários e conta com mais de 45.000 pacientes em tratamento.


Hoje, 94% dos atendimentos são para pacientes do SUS, que fazem desde consultas, exames de sangue, raio-x, mamografia, endoscopia, ultrassonografia, ressonância magnética, cintilografia, tomografia, cirurgias, quimio e radioterapia. “Como atendemos um número maior de pacientes do que o SUS cobre, dependemos da ajuda da comunidade para prestar atendimento humanizado e de qualidade à população carente”, explica a coordenadora do voluntariado do HCL, Iracema Fabian.

Campanhas
Atualmente o hospital conta com algumas campanhas constantes como as doações via conta de luz, carnê, doação nos cofrinhos que estão espalhados em vários estabelecimentos comerciais, arrecadação de notas fiscais através do Nota Paraná, lacre de latinhas e tampas plásticas, doação de cortes de cabelo que são usados para confecção de perucas feitas por voluntárias especializadas neste trabalho e muito mais. “Somos muito gratos a todos que se preocupam em dar alguma ajuda e é sempre importante se informar sobre as necessidades do hospital antes de fazer uma doação: a ajuda será mais eficiente, ajudando numa necessidade mais urgente”, reforça Iracema.


Além das campanhas constantes, neste momento, a campanha ‘Mulheres de Peito’ está fazendo uma arrecadação geral de copos descartáveis de água (180 ml), água de coco para quem está fazendo quimioterapia, aparelhos de barbear descartáveis para o preparo das cirurgias, óleo de soja e detergente para o HC. As empresas participantes funcionam como pontos de arrecadação: Brechó com Propósito (Interv. Manoel Ribas, 537, ao lado da Holandesas Marmitaria); CNA – Escola de Idiomas (Interv. Manoel Ribas, 1547); Empório Veganizando (Av. Salgado Filho, 277 – Shopping Hofgarten – sala 11); Madame Bike (Rua Estilac Leal, 285 – próximo aos Correios); JR (Rua Monteiro Lobato, 190 – sala 12); e o parceiro JT Studio de Personal (Rua Topázio, 250 – Sala 13 – Galeria Rodrigues e Oliveira).


Além disso, também está sendo feita uma campanha de doação de turbantes virtuais também para o HC de Londrina. A doações deste turbante simbólico pode ser feita via Pix ([email protected]) e o ideal é que seja de, no mínimo, R$10. O valor arrecadado, além de ser utilizado para a compra dos turbantes, também é destinado para outras manutenções gerais, compras de medicamentos e demais demandas existentes na instituição.

Grupos de apoio
Para tentar diminuir o sofrimento de pacientes e familiares, uma equipe de voluntários montou um grupo de apoio aos pacientes há mais de 50 anos. “Esses grupos são formados por muitas pessoas que são gratas por ter feito tratamento aqui, ou ter algum familiar, que tenha feito a tratamento aqui e querem retribuir, ajudando outros que estão passando por tratamento no momento. Assim temos grupos de amigos, de igrejas, Polícia Militar e outras organizações sociais que nos ajudam, sempre que possível”, conta Iracema.


Em nossa casa de apoio, que funciona junto ao hospital, é fornecida alimentação e hospedagem para pacientes com um acompanhante. “Temos 9 leitos de cuidados paliativos numa casa junto ao hospital, onde pacientes com menos condições ficam hospedados com acompanhante. Na casa, os pacientes podem até levar um cachorro para se despedir do dono e já fizemos até alguns casamentos no local”, compartilha.


A voluntária também informa que uma equipe multidisciplinar formada por médicos, enfermeiras, nutricionistas, fisioterapeutas, assistentes sociais e psicólogos vão até às residências de pacientes que estão sob cuidados paliativos em suas casas junto com a família, e lá é ofertada toda a assistência necessária.


Iracema ainda revela que seu trabalho dentro do hospital começou após ela ter sido paciente. “Eu sou um exemplo de um paciente que se transformou em voluntário. Tive câncer de tireóide em 2011 e conheci as necessidades e seriedade da administração e de seus funcionários e hoje me dedico, como voluntária, a viabilizar acolhimento para quem tanto precisa”, ressalta.

O trabalho do CAPC
O Centro de Apoio ao Paciente com Câncer (CAPC) de Londrina existe desde abril de 2013. Ele é feito por médicos, militares, enfermeiros, administradores, advogados, publicitários, psicólogos, psiquiatras, pastores, agricultores representados pela Sociedade Rural do Paraná, padres, Universidades de Londrina, Fiocruz/BA, homens e mulheres das mais diferentes idades e profissão, unidos nessa tarefa: tornar menos doloroso ao paciente que convalesce do tratamento do câncer.


O foco de trabalho desenvolvido pelos voluntários da Instituição filantrópica referência em tratamento humanizado está principalmente ligado às pessoas mais carentes de recursos financeiros, pois, além do grande sacrifício, dores, desesperança e medos que as pessoas acometidas por esta patologia se deparam, ainda convivem com a falta de recursos para minimizar um pouco estes tormentos.


O grupo promove ações como oficinas de maquiagem, promoções e bazares beneficentes, entre outros projetos, todos com o objetivo de ajudar esses pacientes em tratamento. É possível conhecer mais sobre o trabalho desenvolvido pelos voluntários por meio do Instagram (@capcoficial).
Visite também as redes sociais do HC de Londrina. Para acessar o Instagram procure por @hclondrina. Acesse também o site: www.hcl.org.br.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Cotidiano

Sobre muitos assuntos

Editorial – Edição: 963 – sexta-feira, 19/04/24 Querida leitora e caro leitorMuitos assuntos e pouco espaço. Já ouvimos uma data para a implantação do estacionamento

Cotidiano

Um ano do falecimento do Padre Zé

Monsenhor José Ágius faleceu na cidade de Victoria no dia 18, depois de passar em Munxar, sua aldeia-cidade natal no dia 17 Nesta quinta-feira (18),