Pesquisar
Close this search box.

Missa aos antepassados celebra a imigração japonesa

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Cultura
  6. /
  7. Missa aos antepassados celebra...

Museu da Imigração de Rolândia recebe autoridades rolandenses e da região, além do Cônsul-geral japonês, na manhã deste sábado

Monja Jishun em cerimônia no Museu Japonês

Uma Missa em homenagem aos antepassados, neste sábado (18) no Museu Japonês, em Rolândia, marca a celebração dos 114 anos da imigração japonesa ao Brasil, iniciada oficialmente neste dia em 1908. O culto, organizado pela Aliança Cultural Brasil-Japão em Londrina, será celebrado pela monja Jishun Morioka, do templo Bushinji, de Rolândia, e tem início às 10h da manhã. São esperadas diversas autoridades, políticas e civis, de Rolândia e região.

“O Culto será em frente da placa dedicada às almas dos pioneiros imigrantes japonese do Paraná”, explica a monja Jishun. O Cônsul-geral do Japão em Curitiba, Keiji Hamada, é aguardado, assim como representantes das Associações Culturais e Esportivas do Paraná.

O pedido para a celebração do culto pela monja partir de Eduardo Suzuki, presidente da Aliança. A cerimônia terá uma oferenda de flores feita pela Cônsul-geral e também palavras do presidente da Aliança Brasil-Japão. “Haverá recitação do Sutra e oferenda de incenso pelos presentes, além de uma breve palestra minha”, revelou a monja Jishun.

Imigração
A imigração japonesa no Brasil começou no início do século XX, no ano de 1908. Atualmente, o Brasil abriga a maior população de origem japonesa fora do Japão, com mais de 1,5 milhão de nikkeis (termo usado para denominar os japoneses e seus descendentes). A maioria reside nos estados de São Paulo e do Paraná. Segundo pesquisa de 2016 publicada pelo IPEA, em um universo de 46 801 772 nomes de brasileiros analisados, 315 925 ou 0,7% deles tinham o único ou o último sobrenome de origem japonesa.


Oficialmente, a imigração japonesa no Brasil teve início oficialmente em 18 de junho de 1908, quando o navio Kasato-Maru aportou em São Paulo, trazendo 781 lavradores para as fazendas do interior paulista. O fluxo cessou quase que totalmente em 1973, com a vinda do último navio de imigração Nippon Maru.

Os descendentes de japoneses chamam-se nikkei, sendo os filhos nissei, os netos sansei, os bisnetos yonsei, e assim por diante. Os nipo-brasileiros que mudaram-se para o Japão em busca de trabalho e lá estabeleceram residência, a partir do fim dos anos 80, são denominados dekasseguis.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

FOTO(S) DESTA MATÉRIA

VEJA TAMBÉM:

Cultura

Os rolandenses na ExpoLondrina 2024

Empreendedores estão no estande da Secretaria de Estado de Turismo Alguns empreendedores de Rolândia estão marcando presença na ExpoLondrina 2024, como acontece quase em todos