Pesquisar
Close this search box.

PC de Arapongas: Alanis Hazziely foi vítima de feminicídio

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Segurança
  6. /
  7. PC de Arapongas: Alanis...

Inquérito da Polícia Civil chegou a conclusão de feminicídio e promotor de Justiça ofereceu denúncia contra João Marcos Ribeiro por esse crime

A arma usada no crime pertence ao pai do acusado João Marcos Ribeiro (fotos: Polícia Civil)

A jovem Alanis Hazziely, de 18 anos, moradora da cidade de Arapongas, foi vítima de disparo de arma de fogo na madrugada do dia 27 de novembro. Seu namorado, o acusado João Marcos Ribeiro, de 19 anos, alegou que efetuou o disparo acidentalmente e que sua intenção não era a de matá-la. Alanis Hazziely estava no primeiro ano do curso de Direito e trabalhava em uma lotérica.


A Delegacia da Mulher de Arapongas, com a delegada Camilla Costa à frente, assumiu as investigações e concluiu de que o disparo não ocorreu de forma acidental. Isso porque a prima da vítima estava presente no momento e testemunhou informando que João Marcos teria apontado a arma para a jovem.


As diligencias também apontaram que o casal vivia um relacionamento tumultuado e que João Marcos já teria ameaçado a vítima, bem como já a teria agredido fisicamente.


Encerradas as investigações, o promotor de Justiça de Arapongas ofereceu denúncia contra João Marcos Ribeiro por feminicídio – crime cometido contra a mulher por razões da condição do sexo feminino e com recurso que impossibilita a defesa da vítima, elementos que agravam o crime. Além disso, João Marcos também foi denunciado por porte ilegal de arma de fogo.


A denúncia foi recebida pela Juíza da 2ª Vara Criminal de Arapongas e João Marcos permanece preso preventivamente.

Depoimento
Em seu depoimento, Ribeiro comentou que se encontrou com a namorada após uma briga dos pais dele. Ele disse que a mãe teria pegado a arma durante a confusão. “Ela foi no armário e pegou o revólver. Aí eu peguei e coloquei na cintura. Minha mãe queria matar o meu pai de qualquer jeito. Foi quando mandei mensagem para a minha namorada, e pedi que ela fosse em casa”, afirmou o acusado.


A prima de Alanis disse, no entanto, em depoimento, que “Ele entrou na casa de Alanis, deixou a arma em cima do sofá, ficou brincando com a arma e ela disse para ele guardar a arma, mas ele disse que não dava nada, foi quando ele mirou nela e atirou”.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Segurança

Maio Amarelo no Colégio Roland

Dentro da campanha, ações são realizadas em escolas e colégios Uma ação dentro da campanha ‘Maio Amarelo’ levou um carro batido até a frente do