Pesquisar
Close this search box.

A LUZ DE CRISTO

Por Monsenhor José Agius (in memoriam)

No dia que fomos batizados, recebemos da Igreja uma vela acesa com a seguinte recomendação: “recebe a luz de Cristo!” O símbolo ritual da entrega da vela acesa, na celebração do Batismo, é muito expressivo. Recebemos a luz de Cristo em uma vela, que é sempre um fogo tênue e com o risco de apagar-se com qualquer sopro.


Na simbologia da ritualidade batismal, desde o início da nossa vida cristã, recebemos o primeiro compromisso de não deixar apagar a luz de Jesus Cristo, não deixar apagar a luz do Evangelho, não permitir que a luz de Cristo que se apague em nossas vidas.


Existem muitos modos para mantermos acesa a luz que recebemos no Batismo; um deles é pela fraternidade. O evangelista São João diz que quem ama o seu irmão e sua irmã caminha na luz e quem não ama o próximo caminha nas trevas (1João 2,9-11). O tema da luz, na teologia simbólica de São João, aparece no início do seu Evangelho, no Prólogo, quando diz que a Luz veio ao mundo, mas nem todos a receberam. Depois, ele continua dizendo que o modo para manter a luz de Jesus Cristo, acesa em nós, acontece pelo relacionamento fraterno. O tema da luz não é, portanto, um recurso pedagógico para explicar e fazer compreender o significado da presença de Jesus no mundo. Nem, tampouco, se trata de uma iluminação filosófica ou psicológica, mas de algo concreto, como é o relacionamento fraterno com quem convivemos. Este é um argumento forte para mostrar a necessidade de converter-nos à caridade fraterna e testemunhar a luz do Evangelho acesa em nossas vidas.


Acolhamos o convite do Apóstolo São Paulo, o qual em sua carta aos Efésios 5,8-10 diz: “vivei como filhos da luz. E o fruto da luz chama-se: bondade, justiça, verdade”. Isto acontece em quem ilumina sua vida com o Evangelho e socorre os irmãos e irmãs necessitados!

Monsenhor José Agius
(in memoriam)

Picture of Monsenhor José Agius Monsenhor

Monsenhor José Agius Monsenhor

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

literatura

Coisas do coração

Sobrelinhas – por Carla Kühlewein “O coração fica sempre no mesmo lugar?”. Essa é a pergunta que a curiosa Valentina faz para sua mãe, bem

literatura

Rabos literalmente presos

Sobrelinhas – por Maria Fernanda Teixeira de Toledo Quem não tem rabo preso que atire a primeira pedra! Agora, cá entre nós… o que te

literatura

No País das Maravilhas?

Sobrelinhas – por Carla Kühlewein É bem provável que você já tenha assistido à versão dos Estúdios Disney do livro clássico de Lewis Carroll ‘Alice

Religião

Andar em Cristo

Por Humberto Xavier Rodrigues Ao entregamos nossas vidas ao Senhor, tudo o mais não é senão um conhecimento do que Ele é em nós, como