Pesquisar
Close this search box.

ALEGRIA DA BOA NOVA

Por Monsenhor José Agius (in memoriam)

“Com alegria, elas correram a dar a boa nova” (Mateus 28,8)
As piedosas mulheres saem do sepulcro cheias de temor pelos acontecimentos extraordinários que presenciaram e cheias de alegria, ao mesmo tempo, pela notícia que ouviram, e por isso iam correndo para dar a notícia aos apóstolos. Essa diligência e fidelidade mereceu-lhes que Jesus lhes aparecesse e as enchesse ainda de grande júbilo. É que Jesus nunca se deixa vencer em generosidade e, além do prêmio da outra vida da outra vida, concede ainda na vida presente, frequentemente, consolos e alegrias espirituais. É uma característica da mensagem cristã: deve proclamar-se com incontida alegria, com exaltação e júbilo contagiantes.


Não faltam casos nos quais se vive e se apresenta o evangelho em um ambiente de desânimo e tristeza. A ressurreição do Senhor Jesus deve mover-nos a manifestar a fidelidade a transbordante alegria com que o cristão há de viver a certeza de sua salvação. Os anjos cantaram por ocasião do nascimento de Jesus e acompanharam-no jubilosos na vitória de sua ressurreição. Por sua vez, o cristão deve transmitir uma mensagem profética repleta de otimismo!

Monsenhor José Agius
(in memoriam)

Picture of Monsenhor José Agius Monsenhor

Monsenhor José Agius Monsenhor

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

literatura

Coisas do coração

Sobrelinhas – por Carla Kühlewein “O coração fica sempre no mesmo lugar?”. Essa é a pergunta que a curiosa Valentina faz para sua mãe, bem

literatura

Rabos literalmente presos

Sobrelinhas – por Maria Fernanda Teixeira de Toledo Quem não tem rabo preso que atire a primeira pedra! Agora, cá entre nós… o que te

literatura

No País das Maravilhas?

Sobrelinhas – por Carla Kühlewein É bem provável que você já tenha assistido à versão dos Estúdios Disney do livro clássico de Lewis Carroll ‘Alice

Religião

Andar em Cristo

Por Humberto Xavier Rodrigues Ao entregamos nossas vidas ao Senhor, tudo o mais não é senão um conhecimento do que Ele é em nós, como