Pesquisar
Close this search box.

Aposentadoria Especial é a melhor opção para agrônomos, zootecnistas e médicos veterinários?

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Colunas
  6. /
  7. Direito
  8. /
  9. Aposentadoria Especial é a...

Por Renata Brandão Canella – advogada

A aposentadoria especial, um benefício previdenciário destinado a profissionais expostos a condições insalubres, é sempre a melhor opção? Essa é uma indagação importante, especialmente para os profissionais do agronegócio, como veterinários, zootecnistas e agrônomos, cujas atividades podem envolver exposição a agentes nocivos à saúde.


Para responder a essa pergunta, é essencial considerar o contexto histórico. Até 28 de abril de 1995, o enquadramento das atividades especiais era estabelecido com base na categoria profissional, de acordo com os Decretos 53.831/64 e 83.080/79. Isso significava que o simples exercício da profissão era suficiente para o reconhecimento do trabalho como especial, sem a necessidade de laudos complementares. Esse método era conhecido como “enquadramento por categoria profissional”.


No entanto, a partir de 1995, a comprovação das condições prejudiciais à saúde, como exposição a agentes biológicos, químicos e ruído, passou a exigir documentos técnicos, como o Laudo Técnico das Condições Ambientais de Trabalho (LTCAT) e o Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP).


Com a reforma da previdência, a aposentadoria especial passou por mudanças substanciais. Agora, além do tempo de contribuição, a idade do segurado também é considerada para a concessão do benefício. Além disso, a integralidade do benefício foi eliminada, passando a ser proporcional ao tempo trabalhado.
Além das alterações nos requisitos, a possibilidade de continuar trabalhando na mesma profissão após a concessão da aposentadoria especial também foi impactada pela reforma. As regras pré-reforma permitiam que os segurados continuassem em atividades insalubres e perigosas após a aposentadoria.

No entanto, após a reforma, essa permissão foi revogada, com exceção daqueles que se aposentaram pelas regras de “direito adquirido” pré-reforma.


A distinção mais significativa é que algumas modalidades de aposentadoria por tempo de contribuição, sob as regras de transição (como aquelas baseadas em pontos, pedágio 100% e idade mínima progressiva), podem oferecer benefícios mais vantajosos, pois mantêm o valor integral do benefício, enquanto a aposentadoria especial pós-reforma não é mais integral.


Portanto, a escolha entre a aposentadoria especial e outras modalidades depende de uma análise minuciosa das circunstâncias individuais, como tempo de contribuição, idade e a intenção de continuar trabalhando após a aposentadoria.


Importante mencionar que, mesmo a aposentadoria especial não sendo vantajosa em uma grande maioria de casos, a conversão do tempo especial em tempo comum mostra-se uma opção relevante, pois aumenta o tempo de contribuição do segurado, permitindo que alcance uma regra de transição mais benéfica após a reforma da previdência de forma antecipada.


Agrônomos, zootecnistas e médicos veterinários, mesmo que autônomos (contribuintes individuais) ou que recebam por pró-labore (façam a contribuição através da empresa), podem conseguir a conversão do trabalho especial em tempo comum até novembro de 2019. Essa conversão aumenta o tempo de trabalho em 40% para os homens e em 20% para as mulheres.


Para conquistarem essa conversão, é necessária a apresentação dos laudos: PPP, LTCAT e PPRA. Esses laudos são confeccionados por engenheiros ou médicos do trabalho e referem-se ao trabalho, ao local de trabalho e à exposição a agentes nocivos à saúde e/ou integridade física.


Esse profissional deve ser contratado para que certifique a situação de trabalho do profissional autônomo, ou mesmo o trabalho do sócio de uma empresa, e emita os laudos. Com esses documentos em mãos, desde que comprovem a exposição do segurado a agentes nocivos à saúde, o pedido de aposentadoria antecipada pode ser feito.


Agrônomos, zootecnistas e veterinários, que trabalham como empregados, com carteira assinada, também podem pedir a conversão da atividade especial para acelerar a concessão da aposentadoria. Nesse caso, a empresa empregadora ou o empregador devem fornecer os laudos de insalubridade ou periculosidade ao funcionário, mediante requerimento. Estes documentos são obrigatórios desde 2004 e a empresa não pode negar a sua apresentação ao empregado.


Para obter orientações específicas, considerando esses fatores, é aconselhável consultar um especialista em direito previdenciário. Assim, a decisão mais adequada poderá ser tomada para garantir o melhor benefício aos profissionais mencionados e a todos os que se questionam sobre a aposentadoria especial.

Renata Brandão Canella

Renata Brandão Canella, advogada, mestre em processo civil, especialista em direito do trabalho e direito empresarial, autora e organizadora do livro “Direito Previdenciário, atualidades e tendências” (2018, Ed. Thoth), Presidente da Associação Brasileira dos Advogados Previdenciários (ABAP) na gestão 2016-2020.

Atendimento em todo Brasil
Av. Higienópolis, 32 – Sala 1501-1504, 15º andar.
CEP: 86020-080, Londrina PR.
Dúvidas e sugestões e pauta:
[email protected]
Insta: @brandaocanella
(043) 3344-3057 (043) 99861-0036 (047) 99219-8173

Renata Brandão

Renata Brandão

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Religião

Dois Homens

Por Humberto Xavier Rodrigues O fariseu, posto em pé, orava de si para si mesmo, desta forma: Ó Deus, graças te dou porque não sou

Cultura

Retrospectiva 2023: Melhores Séries

Por Samuel M. Bertoco Começando tardiamente nossa retro, já vou deixando a informação aqui que esse ano não vai ter dos filmes, assistam Barbie e

Religião

Um propósito definido

Por Humberto Xavier Rodrigues A cruz, foi e é o fato mais revolucionário que já apareceu entre os homens. É por esta razão que a

Religião

Do ego para Cristo

Por Humberto Xavier Rodrigues Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu