Pesquisar
Close this search box.

Fanatismo não é patriotismo

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Colunas
  6. /
  7. cotidiano
  8. /
  9. Fanatismo não é patriotismo

Por Diego Silva

O Brasil viu um ato de terrorismo aos prédios públicos em Brasília. Um ataque premeditado, sem sentido, covarde e absurdo. Se a moda pega? Não é possível tolerar.

Você gostar, admirar, se inspirar em alguém, é saudável, importante e normal até. Agora, quando passa do respeito, vira um endeusamento, uma obsessão, uma paranóia, passa a ser doença. As pessoas perdem a razão. O sentido das coisas muda. Conheço gente que trocou a família para ficar acampado na porta de quartel. A troco de quê? Qual o sentido?

Se essa loucura, desmedida, fosse empenho na eleição, Bolsonaro poderia ter vencido o pleito. Só que essa gente doentia, chata, raivosa, depôs contra ele.

Quando alguém falar que defende Deus pregando o ódio, defende a família, mas briga com seus familiares e quebrar prédios públicos, que vão ser consertados com dinheiro do povo, falando em patriostismo, é fácil perceber que a pessoa está fora de si.
Deus é amor. Família é para ser amada. E a pátria defendida, não atacada. Acho que Lula não teria condições para ser presidente, pois foi preso. Entendo a revolta de alguns. Só que ele está lá.

Se essa gente fizesse um abraço simbólico em Brasília, aos prédios públicos, vestisse preto, lavasse a rampa do Palácio do Planalto, tenho certeza que todos aplaudiriam isso e entenderiam como ato político.

Hoje, esses fanáticos, radicais, se transformaram naquilo que eles mais condenavam. Só que pior: usando o nome de Deus em vão.

Acredito ainda que isso foi só o começo. Infelizmente, temo ver coisas piores.
Quando o Lula foi preso, quando a Dilma foi tirada do poder, teve ameaça. Mas não se viu o que teve em Brasília no domingo passado. Nada igual na história. Muito triste.

Como a história ainda está em aberto, muitos capítulos podem ser escritos. Espero que possam surgir, partindo do lado humano do respeito, harmonia e convivência. Que reine a paz.

Discutir política é saudável. Importante. Normal. Agora, brigar, depredar, quebrar, invadir, destruir, deixa de ser política. Passa a ser terrorismo.

De que lado da história você vai ficar?

Diego Silva

Diego Silva

Diego Silva

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

Religião

Morrer ou, morrer

Por Humberto Xavier Rodrigues Sabendo isto: que foi crucificado com ele o nosso velho homem, para que o corpo do pecado seja destruído, e não

literatura

Duas casas, uma infância

Sobrelinhas – por Matheus Campana Godoi Antes de mais nada, um aviso: livros infantis nem sempre se passam em lugares fantasiosos, com reinos, castelos, reis,