Pesquisar
Close this search box.

Liga da Justiça – O triste fim do DCU – Parte 1

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Colunas
  6. /
  7. Cultura
  8. /
  9. Liga da Justiça –...

Por Samuel M. Bertoco

Começo do ano a gente faz um review do ano que passou, mas como ainda não fiz a lista quero desenvolver melhor, resolvi falar de outro ciclo que está se encerrando- graças. O universo de heróis da DC Comics – o famigerado DCU – nos cinemas.


O DCU já começou com um pé bem pisado no fracasso. Tentando copiar sua concorrente Marvel – que se perdeu, mas já fez bonito – mas com uma pressa descabida, em vez de ir introduzindo seus heróis devagar e ligando os pontinhos do universo – até começou a fazer no primeiro Superman – já quis juntar tudo mundo e saiu atropelando tudo. Já meteu no filme seguinte – além do Superman – a Mulher Maravilha e o Batman. E aí a gente já viu que o troço ia pro buraco quando o Batman – talvez o herói mais importante em termos comerciais desse universo – foi idealizado nas coxíssimas e com um ator – Ben Affleck horrível – que tava com zero vontade de estar lá. É provavelmente a pior idealização/versão do herói já feita na história. O filme é péssimo e – como quase tudo no DCU – corrido, já trazendo, de quase prima, um dos maiores eventos que já rolou com o Superman – sua morte.


A partir daí – confesso que não sei a ordem e nem importa – foram enfiando goela abaixo filmes terríveis do Aquaman e da Mulher Maravilha – os dois, aliás, até bem interpretados, assim como o Flash. Mas tudo isso culmina com o terrível filme da Liga da Justiça, que foi tão ruim que trocaram o diretor, só pra uns anos depois falarem “acho que a versão com o primeiro diretor foi melhor, vamos lançar ela” e aí temos basicamente dois filmes que são e não são o mesmo. É o gato de Schrödinger do cinema.


Quando o buraco parecia sem fundo, demitiram o ator do Superman, o ator do Flash virou um psicopata na vida real e ainda soltaram mais uns dois ou três filme pavorosos.


Até que James Gunn, diretor da Marvel trocou de lado e, como um herói, disse que vai resetar tudo e nos salvar dos filmes ruins, veremos.

Samuel M. Bertoco é formado em Marketing e Publicidade

Picture of Samuel Bertoco

Samuel Bertoco

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

literatura

Rabos literalmente presos

Sobrelinhas – por Maria Fernanda Teixeira de Toledo Quem não tem rabo preso que atire a primeira pedra! Agora, cá entre nós… o que te

literatura

No País das Maravilhas?

Sobrelinhas – por Carla Kühlewein É bem provável que você já tenha assistido à versão dos Estúdios Disney do livro clássico de Lewis Carroll ‘Alice

Religião

Andar em Cristo

Por Humberto Xavier Rodrigues Ao entregamos nossas vidas ao Senhor, tudo o mais não é senão um conhecimento do que Ele é em nós, como