Pesquisar
Close this search box.

Rabos literalmente presos

Sobrelinhas – por Maria Fernanda Teixeira de Toledo

Quem não tem rabo preso que atire a primeira pedra! Agora, cá entre nós… o que te leva a ter o rabo literalmente preso a alguém? É sobre esse assunto peludo que Ruth Rocha trata no livro ‘Uma história de rabos presos’, ilustrada por Carlos Brito, ganhador do prêmio Jabuti em 1990. É uma narrativa envolvente que começa com uma fofoca de vizinhança entre pessoas conectadas por meio de favores, ou melhor, rabos.

A história se passa numa pequena cidade de nome bem peculiar: Egolândia. Durante as férias, enquanto tomava uma cervejinha na venda do seu Salvador, o narrador ficou sabendo que os moradores daquela cidade tinham o rabo preso e comentou: “rabo preso é quando uma pessoa fez uma coisa malfeita e a outra pessoa sabe”. E não é que uma parcela da população de Egolândia, principalmente políticos, tinham o rabo preso? O prefeito com o coronel, vereadores com prefeito… E a cidadezinha não ia para frente porque os governantes só queriam dinheiro! O povo ficava indignado, mas… fazer o quê?

Até que certo dia uma coisa esquisita aconteceu: começou com o prefeito tendo uma tal doença…, depois o coronel, o secretário de obras e seu filho, grande parte da população (principalmente os ricos)… da noite para o dia ganharam rabo! Isso mesmo, RABO! Com o passar dos dias, a situação foi ficando pior:

“As pontas dos rabos começaram a se abrir em dois, três quatro pontas e a se prender em outras pessoas”. Em pouco tempo Egolândia virou uma bagunça! Nem mesmo visitantes escapavam de ter o traseiro peludo. Até que os poucos “sem rabo” resolveram dar um jeito nos “rabudos”. Cobrir todos com lona e fazer um circo, explodir ou por fogo neles… era uma ideia mais maluca que a outra. Será que alguma deu certo? A resposta está lá no livro, só esperando você conferir.

Com ou sem rabo, coisa mal feita tem em todo lugar e com jeitinho a Ruth Rocha consegue, de forma divertida, alertar para as consequências de se ter um traseiro peludo (eu, hein?).   

Maria Fernanda Teixeira de Toledo é graduanda em Letras Português pela Unespar de Apucarana.

Picture of Carla Kühlewein

Carla Kühlewein

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

literatura

Coisas do coração

Sobrelinhas – por Carla Kühlewein “O coração fica sempre no mesmo lugar?”. Essa é a pergunta que a curiosa Valentina faz para sua mãe, bem

literatura

No País das Maravilhas?

Sobrelinhas – por Carla Kühlewein É bem provável que você já tenha assistido à versão dos Estúdios Disney do livro clássico de Lewis Carroll ‘Alice

Religião

Andar em Cristo

Por Humberto Xavier Rodrigues Ao entregamos nossas vidas ao Senhor, tudo o mais não é senão um conhecimento do que Ele é em nós, como