Pesquisar
Close this search box.

Star Wars Day: sem muito o que comemorar

  1. Home
  2. /
  3. Notícias
  4. /
  5. Colunas
  6. /
  7. Cultura
  8. /
  9. Star Wars Day: sem...

Por Samuel M. Bertoco

Todo ano, no dia 4 de maio, se comemora o “May de Force Be With You (Que a Força esteja com você)”, em alusão à data dita em inglês que dá quase o mesmo som (May the Forth) e que em português não tem nada a ver. Enfim, é a data comemorativa de uma das maiores franquias pop de todos os tempos, mas…para os fãs, com muito pouca coisa a ser motivo de alegria.


Star Wars é uma marca que ainda cativa milhões e milhões de fãs pelo mundo, inclusive, muitas e muitas crianças – e não apenas os tiozões nerds saudosistas – mas que ainda tem penado muito pra engrenar novas produções. É claro que tem uma coisa boa aqui, outra ali, mas nada que a gente diga: nuoooooosssa agora sim!!! Além do que, em meio a algumas coisas legais, várias coisas terríveis, mas ruim mesmo, com força (rá).


Claro que tem coisa que cativam uns, outras que agradam outros, mas nada tem tanta força pra afastar fãs do que fazer coisas ruins. E a Disney – dona da marca – tá sendo mestre nisso. Eles até acabam indo bem na TV com produções periféricas, como Andor, que fala sobre personagens que ninguém liga, ou as primeiras temporadas de Mandalorian. Mas vejam só, a terceira temporada de Mandalorian, agora que ele é um personagem já querido pelos fãs, foi uma porcaria.


Sem falar nos filmes, a última trilogia é um tapa na cara de mão aberta no bom senso. O último filme da saga foi tão, mas tão ruim, que fez com que aquela trilogia lá dos anos 2000 parecesse uma obra de arte.
Aí os caras me vão anunciar coisas novas. Em meio a boatos de vários diretores legais interessados e várias ideias muito da hora saindo da gaveta, o que eles confirmam? Um filme spin off da Rey!!!! Da Reyyyy – vocês não sabem quem é? Pois é ninguém sabe, mas é a protagonista da última trilogia.


No fim esse dia é daqueles aniversários que a gente acha que os amigos fizeram uma festa surpresa, mas na verdade não. Ou fizeram, de um jeito que era melhor não terem feito.

Samuel M. Bertoco é formado em Marketing e Publicidade

Picture of Samuel Bertoco

Samuel Bertoco

Compartilhe:

Facebook
Twitter
WhatsApp
Email

VEJA TAMBÉM:

literatura

Coisas do coração

Sobrelinhas – por Carla Kühlewein “O coração fica sempre no mesmo lugar?”. Essa é a pergunta que a curiosa Valentina faz para sua mãe, bem

literatura

Rabos literalmente presos

Sobrelinhas – por Maria Fernanda Teixeira de Toledo Quem não tem rabo preso que atire a primeira pedra! Agora, cá entre nós… o que te

literatura

No País das Maravilhas?

Sobrelinhas – por Carla Kühlewein É bem provável que você já tenha assistido à versão dos Estúdios Disney do livro clássico de Lewis Carroll ‘Alice

Religião

Andar em Cristo

Por Humberto Xavier Rodrigues Ao entregamos nossas vidas ao Senhor, tudo o mais não é senão um conhecimento do que Ele é em nós, como